progenie, engenharia, engineering, reforço estrutural, ensaios não destrutivos, diagnóstico imobiliário, análise estrutural, reforço de estruturas com fibras de carbono
A CARREGAR...
LOADING...
array (
  'tipo_de_link' => 'category',
  'alvo_do_link' => false,
  'categoria' => 
  WP_Term::__set_state(array(
     'term_id' => 5,
     'name' => 'Fichas Técnicas',
     'slug' => 'fichas-tecnicas',
     'term_group' => 0,
     'term_taxonomy_id' => 5,
     'taxonomy' => 'category',
     'description' => '',
     'parent' => 0,
     'count' => 0,
     'filter' => 'raw',
     'term_order' => '2',
  )),
)
Fichas Técnicas
array (
  'tipo_de_link' => 'page',
  'alvo_do_link' => 
  WP_Post::__set_state(array(
     'ID' => 551,
     'post_author' => '2',
     'post_date' => '2015-01-08 17:48:14',
     'post_date_gmt' => '2015-01-08 17:48:14',
     'post_content' => 'Barragem do Calueque, localizada no Rio Cunene, junto a localidade de Calueque, na Província do Cunene. Trata-se de uma barragem – ponte, de betão armado e pré-esforcado, constituída por vãos com comporta e tabuleiro vigado para uso rodoviário.

A barragem encontra-se presentemente a ser intencionada, nomeadamente no que respeita a sua reparação e conclusão. Com efeito, esta obra não foi totalmente terminada, tendo os trabalhos sido interrompidos em meados da decada de 1970. Após essa altura a barragem esteve sujeita as acções climáticas e a diversas agressões em consequência da guerra, sem qualquer tipo de intervenções de reparação ou de manutenção. Década de 1970. Após essa altura a barragem esteve sujeita as acções climáticas e a diversas agressões em consequência da guerra, sem qualquer tipo de intervenções de reparação ou de manutenção.

', 'post_title' => 'BARRAGEM DO CALUEQUE', 'post_excerpt' => '', 'post_status' => 'publish', 'comment_status' => 'closed', 'ping_status' => 'closed', 'post_password' => '', 'post_name' => 'barragem-do-calueque', 'to_ping' => '', 'pinged' => '', 'post_modified' => '2015-01-21 12:31:26', 'post_modified_gmt' => '2015-01-21 12:31:26', 'post_content_filtered' => '', 'post_parent' => 0, 'guid' => 'http://adhesive-studio.com/dev/www.progenie.pt/?post_type=projecto&p=551', 'menu_order' => 0, 'post_type' => 'projecto', 'post_mime_type' => '', 'comment_count' => '0', 'filter' => 'raw', )), 'categoria' => '', )
Barragem do Calueque
array (
  'tipo_de_link' => 'page',
  'alvo_do_link' => 
  WP_Post::__set_state(array(
     'ID' => 573,
     'post_author' => '2',
     'post_date' => '2015-01-08 20:37:01',
     'post_date_gmt' => '2015-01-08 20:37:01',
     'post_content' => 'Situada a 120 km a sul do Huambo, a barragem do Gove foi o primeiro componente do Sistema Integrado do Rio Kunene a ser concluído em 1975. O reservatório a montante da barragem tem uma capacidade de armazenamento de cerca de 2 574 milhões de m³.

A barragem do Gove tem um perfil de aterro homogéneo, com um pé em enrocamento. É uma barragem de terra com uma altura de 58 m e o desenvolvimento de coroamento de 1238 m. Os trabalhos desenvolvidos pela nossa empresa, que tiveram como base o historial da sua estrutura e componentes.

Foram realizadas inspecções ao estado de conservação dos elementos constituintes da Barragem, como a casa de forças e as condutas de ventilação da tomada de água. Para o efeito foram tidas em conta várias técnicas de análise não destrutivas e/ou intrusivas, que permitiram a caracterização dos elementos em betão e materiais constituintes com o respectivo mapeamento de anomalias.

Para o efeito foi necessário recorrer a equipamento electromagnético, essencial nos ensaios e identificações de armaduras, ensaios de Ultra-sons e Pull-off, imprescindíveis na conclusão da analises e respectiva escolha das metodologias de reparação.

', 'post_title' => 'BARRAGEM DO GOVE', 'post_excerpt' => '', 'post_status' => 'publish', 'comment_status' => 'closed', 'ping_status' => 'closed', 'post_password' => '', 'post_name' => 'barragem-do-gove', 'to_ping' => '', 'pinged' => '', 'post_modified' => '2015-03-03 11:56:50', 'post_modified_gmt' => '2015-03-03 11:56:50', 'post_content_filtered' => '', 'post_parent' => 0, 'guid' => 'http://adhesive-studio.com/dev/www.progenie.pt/?post_type=projecto&p=573', 'menu_order' => 0, 'post_type' => 'projecto', 'post_mime_type' => '', 'comment_count' => '0', 'filter' => 'raw', )), 'categoria' => '', )
Barragem do Gove
 
ph_servicos_inspeccoes-e-ensaios.jpg Progenie Engenharia
 

O rigoroso conhecimento das construções, e dos seus problemas, é essencial para propor intervenções adequadas e otimizadas, onde a durabilidade e qualidade de execução desempenham um papel de elevada importância.

Para uma correta caracterização das estruturas, disponibilizamos serviços orientados para cada caso específico, através de:

  • Levantamentos Geométricos e Estruturais
    O levantamento geométrico pode (e deve) ser realizado por métodos topográficos, fotogrametria e/ou varrimento laser. Este tipo de levantamento consiste essencialmente na caracterização geométrica da construção, através da identificação, dimensionamento e representação dos seus elementos arquitetónicos e estruturais. Com uma definição rigorosa da geometria e posicionamento destes elementos, é possível verificar o cumprimento dos desenhos disponíveis de projeto. Além da caracterização geométrica, este tipo de levantamento é particularmente útil para o mapeamento das anomalias verificadas durante a inspeção visual.

    Com base no levantamento geométrico, o levantamento estrutural pretende caracterizar o sistema estrutural da construção, através da identificação e determinação dos diferentes elementos e materiais estruturais. Este levantamento normalmente requer a realização de várias sondagens em diferentes elementos estruturais, para determinar a sua composição e estado de conservação.
  •  
  • Inspeções de Rotina e Inspeções Especiais
    A realização de inspeções às estruturas é fundamental e determinante para uma boa gestão da sua conservação. O principal objetivo desta ação é o levantamento de anomalias, e respetivos mecanismos de deterioração, de forma a garantir o bom desempenho das estruturas. Para tal, o seu estado de conservação é aferido, o que permite uma tomada de decisão sustentada, no que diz respeito a eventuais futuras intervenções e prioridades de investimento. Durante o ciclo de vida das estruturas, devem ser realizadas avaliações periódicas, de acordo com o regime preconizado em função do tipo de estrutura e respetivo ambiente de exposição. Estas inspeções podem ter diferentes níveis de complexidade e pormenorização, sendo usualmente designadas por inspeções de rotina e inspeções especiais.

    As inspeções de rotina consistem essencialmente na inspeção visual, envolvendo métodos de registo fotográfico, com a realização de algumas medições e técnicas de avaliação expeditas. As inspeções especiais referem-se a procedimentos mais específicos, baseados nas inspeções de rotina, que pretendem quantificar determinadas propriedades dos materiais estruturais, através da realização de técnicas de ensaio apropriadas. O planeamento das inspeções deve ser realizado em função dos dados necessários para o desenvolvimento dos modelos de avaliação estrutural especificados.
  •  
  • Ensaios Não Destrutivos (NDT) e Ensaios Destrutivos (DT)
    A inspeção visual, auxiliada por técnicas expeditas com equipamentos simples, é o método de avaliação mais comum para inspeção de estruturas. Apesar da sua importância e eficácia, subjacente à experiência do inspetor, por vezes não é suficiente para o correto diagnóstico e tomada de decisão sobre a intervenção a adotar no seu seguimento. Nestes casos, é necessário proceder à realização de ensaios não destrutivos (NDT) e/ou destrutivos (DT), de forma a ser possível identificar e caracterizar as anomalias e a sua origem, assim como determinar eventuais exigências de reparação.

    Os ensaios NDT permitem a identificação dos mecanismos de deterioração, associados às anomalias evidenciadas durante a inspeção visual, e avaliar a sua extensão e evolução, ao longo do tempo. Os ensaios DT apresentam uma maior precisão que os anteriores, sendo usualmente utilizados para complementar os resultados dos ensaios NDT, seja através da confirmação de diagnóstico, quantificação de danos ou caracterização mecânica de materiais.

    Os ensaios in situ geralmente requerem mão-de-obra especializada e podem envolver interrupções na utilização da estrutura. Estas situações podem envolver um custo significativo, pelo que, é essencial ter um bom conhecimento sobre todo o procedimento envolvido na execução dos ensaios referidos. A seleção das técnicas de ensaio deve ser realizada em função da informação necessária, considerando o tipo de resultados pretendidos, incluindo vários aspetos importantes, tais como, precisão, limites, fiabilidade, requisitos ambientais, interrupção de serviço e custo, entre outros.
  •  
  • Sondagens Estruturais em Betão e Sondagens Geotécnicas
    As sondagens são realizadas para caracterização dos materiais, ou solos, e dos seus constituintes, permitindo a aferição do estado de conservação dos mesmos.

    A presença de anomalias em estruturas pode dever-se à qualidade dos materiais de construção que, por vezes, são diferentes dos especificados em projeto. As sondagens estruturais permitem avaliar situações de não conformidade dos materiais ou a ocorrência de outros fenómenos na origem do seu mau desempenho. Relativamente às estruturas de betão, existem vários tipos de Sondagens Estruturais em Betão, incluindo diferentes tipos de ensaios, em função da informação pretendida.

    Alguns dos ensaios mais frequentes são:
    • Utilização do pacómetro - para caracterização e avaliação de armaduras;
    • Abertura de janelas de comprovação - para avaliação do recobrimento e calibração dos resultados do pacómetro;
    • Determinação da profundidade de carbonatação - para estimar a durabilidade do betão armado, considerando o tempo e velocidade com que irá atingir as armaduras, causando a sua corrosão;
    • Carotagem - para caracterização da resistência mecânica do betão em laboratório (e.g. ensaio de compressão).


    A caracterização geológica e geotécnica é essencial para a previsão, com segurança, do comportamento das construções. Assim, os estudos geológicos e geotécnicos devem acompanhar as fases de execução de projeto e construção de todas as obras, com o objetivo de realizar o zonamento geotécnico dos maciços geológicos interessados às mesmas. A pormenorização deste estudo deve considerar a importância da obra e, principalmente, a interferência desta com a estabilidade de materiais geológicos da crosta terrestre. Geralmente, as principais características aferidas neste estudo consistem na deformabilidade, resistência ao corte e permeabilidade dos solos.

    Para tal, são realizadas Sondagens Geotécnicas que podem incluir a realização de diferentes ensaios, tais como:
    • Ensaio com penetrómetro de cone;
    • Ensaio de penetração normalizado SPT e ensaios de penetração dinâmica;
    • Ensaio de corte rotativo (com molinete);
    • Ensaio WST (Weigth Sounding Test);
    • Ensaio pressiométrico;
    • Ensaio com dilatómetro plano;
    • Ensaio de compactação.
  •  
  • Observação e Monitorização de Estruturas
    A Observação e Monitorização de Estruturas tem por principal objetivo registar alterações decorrentes na estrutura, tais como, deformações, fendilhação, variações de temperatura, etc., permitindo obter informação sobre fenómenos de deterioração ou ter um controlo mais rigoroso durante a execução de intervenções estruturais.

    A monitorização pode ainda funcionar como um alarme de risco sobre a segurança estrutural, e.g., a monitorização dinâmica é muito útil para registar acelerações, em zonas de risco sísmico.
    Existem vários aparelhos (ou sistemas) de monitorização que podem ser aplicados às estruturas, devendo a sua seleção ser realizada em função da informação estritamente necessária, de forma a reduzir, ao máximo, o custo inerente à sua instalação.

    Um dos aparelhos mais generalizados, e de menor custo, utilizados na monitorização são os fissurómetros: permitem avaliar a evolução da fendilhação ao longo do tempo, entre inspeções. Outros sistemas de monitorização usuais incluem: o alongâmetro, para obter medições precisas de pequenos deslocamentos de juntas e fendas; o inclinómetro, para verificar a evolução da inclinação da estrutura; e a topografia, para controlar os movimentos da estrutura. Para obras especiais, com requisitos elevados de segurança, podem ainda ser aplicados sistemas computorizados, de maior custo, que permitem obter dados em tempo real.
  •  
  • Controlo da qualidade
    Os requisitos de segurança e serviço das construções, e das suas instalações, devem ser sempre assegurados, independentemente do tipo de obra em questão (nova construção ou intervenção de reabilitação). O cumprimento destes requisitos é efetuado através de diferentes tipos de Controlo da Qualidade nas diversas fases de obra: controlo da receção em obra, controlo da execução da obra e controlo da obra concluída.
    O controlo da receção em obra deve fiscalizar as condições de fornecimento, receção, controlo, conservação, armazenamento, manuseamento e utilização de todos os materiais aplicados em obra, em função da regulamentação aplicável e especificações do caderno de encargos. O controlo de receção deve incluir ensaios de verificação sobre amostras dos materiais fornecidos, devendo ainda ser disponibilizada documentação atestando a qualidade dos materiais e equipamentos utilizados em obra.
    O controlo da execução da obra decorre na fase seguinte após o controlo de qualidade dos materiais. Este procedimento corresponde à fiscalização do cumprimento das especificações sobre a execução dos trabalhos. Devem ser estabelecidas ações de fiscalização sobre as várias fases de execução descritas no caderno de encargos, incluindo os ensaios de verificação necessários.
    Após finalização da obra, deve ser realizado o controlo da obra concluída, através de verificações e ensaios finais, em conformidade com a regulamentação aplicável e especificações do caderno de encargos. Este controlo final pretende assegurar a entrega da obra, ao dono de obra, nas condições especificadas no caderno de encargos.
  •